LITERATURA BRASILEIRA E MOÇAMBICANA: RELAÇÕES E INCURSÕES ENTRE HISTÓRIA, CULTURA, POLÍTICA E LÍNGUA

Authors:ADEÍTALO MANOEL PINHO 1, MAURO NICOLA PÓVOAS 2, SARITA MONJANE HENRIKSEN 3,3
Institution1 UEFS - Universidade Estadual de Feira de Santana (Bahia/Brasil), 2 FURG - Universidade Federal do Rio Grande (Rio Grande do Sul/Brasil), 3 Universidade de Moçambique - Universidade de Moçambique (Maputo/Moçambique)

Abstract

Este simpósio pretende ser uma continuação de grupos de trabalho ocorridos em 2011, no III SIMELP; em 2015, no V SIMELP; e em 2017, no VI SIMELP. Nesta nova proposta, contando com a presença de alguns dos apresentadores dos simpósios anteriores, seguimos avançando a discussão das relações da literatura com a história, a cultura e a língua, em circulação principalmente em dois países, Brasil e Moçambique, mas sem deixar de lado as outras literaturas de língua portuguesa. Em vista das situações atuais de Brasil e Moçambique, resolvemos incluir o item “política” aos propósitos de reflexão.

Pretende-se avaliar produções do sistema literário brasileiro e moçambicano em articulação como personificações amplas da cultura e da literatura de língua portuguesa em âmbito internacional. Assim, deseja-se estabelecer diálogos com autores próximos, como Zélia Gattai, João Ubaldo Ribeiro, Aleilton Fonseca, Luiz Antonio de Assis Brasil, Daniel Galera, Michel Laub, Cíntia Moscovich, Lygia Fagundes Telles, Mia Couto, Ungulane Ba Ka Khosa, Paulina Chiziane, Cardoso Pires e José Saramago, entre outros. O simpósio deseja tornar cada vez mais visíveis sistemas de literatura brasileiros e moçambicano. Pretende-se continuar verificando a recepção, tradução e estudos da literatura brasileira e moçambicana em outros países. Também será discutida a forma como os intelectuais e literatos estão fazendo recepção da demanda política e social contemporânea dos países citados, tanto em criações ficcionais e poéticas, quanto em reflexões críticas e historiográficas.

Dessa forma, o simpósio seguirá acolhendo propostas de trabalho do Brasil, de Moçambique e de outros países que se veem dentro da problemática da pós-colonialidade da literatura, da língua e da cultura. Além disso, são bem-vindas propostas acerca da recepção de autores como Gregório de Matos, Padre Antônio Vieira, Castro Alves, Ruy Barbosa, Jorge Amado, Cyro Martins, Dyonélio Machado, Erico Verissimo, Clarice Lispector, Adonias Filho, José Craveirinha, Noémia de Sousa e outros.

Keywords: Literatura Brasileira, Literatura Moçambicana, Cultura, Contemporaneidade, Política


Minicurrículo:

ADEÍTALO MANOEL PINHO

Adeítalo Manoel Pinho é Doutor em Letras pela PUCRS (2008). Professor Titular de Literatura Brasileira da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). É coordenador do GELC, Grupo de Estudos Literários Contemporâneos, e do Centro de Pesquisa em Literatura e Diversidade Cultural, ambos da UEFS. Autor do livro Perfeitas memórias: literatura, experiência e invenção (7 Letras, 2011). Foi membro suplente do Conselho Consultivo da ABRALIC (gestões 2009-2011; 2012-2013).



MAURO NICOLA PÓVOAS

é Doutor em Letras pela PUCRS (2005). Realizou estágio pós-doutoral na Universidade de Lisboa (2008). Professor Associado da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Letras (Mestrado e Doutorado em História da Literatura) da FURG, entre 2012 e 2016. Autor do livro Uma história da literatura: periódicos, memória e sistema literário no Rio Grande do Sul do século XIX (Buqui, 2017).



SARITA MONJANE HENRIKSEN

é Doutorada em Política Linguística pela Universidade de Roskilde, Dinamarca. Exerce actualmente a função de Directora do Gabinete de Relacões Internacionais na Universidade Pedagógica. Foi Directora da Faculdade de Ciências de Linguagem, Comunicação e Artes e Presidente do Conselho Científico. Na graduação, lecciona as disciplinas de Sociolinguística, Língua Inglesa, Técnicas de Estudo e Psicolinguística, e em pós-graduação,  no Programa de Doutoramento em Ciências da Linguagem Aplicadas ao Ensino de Línguas.