A ARGUMENTAÇÃO ESCRITA  NA  AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Authors:ROSÂNGELA OLIVEIRA CRUZ PIMENTA 1,1,1, ADNA DE ALMEIDA LOPES 1,1,1,1, FLÁVIA FERREIRA DA SILVA ROCHA 2,2,2,2
Institution1 UFAL - Universidade Federal de Alagoas (Alagoas/Brasil), 2 UFS - Universidade Federal de Sergipe (Sergipe/Brasil)

Abstract

O Simpósio "A argumentação escrita em sala de aula de língua portuguesa na Educação Básica" abre espaço para discussões sobre as práticas de ensino e aprendizagem da produção textual escrita no tocante, especificamente, à argumentação. Argumentar é uma atividade inerentemente humana e uma ação linguística fundamental, por isso deve e pode ser ensinada. Para Koch e Elias (2017, p. 24), a argumentação é o produto de uma combinação entre diferentes componentes que contribuem para a elaboração de um ponto de vista racional, num dado espaço e tempo, com finalidade persuasiva. Esses variados componentes se articulam em experiências individuais e sociais, mas podem ser desenvolvidos na escola, pelas ações de planejamento do que vai ser dito, pelo uso de estratégias e operadores argumentativos ou pela seleção lexical e gramatical com vistas à progressão do texto. O ensino e aprendizagem da argumentação escrita se coloca, tanto para professores como para alunos, como um desafio, pela possibilidade de uma melhor atuação do escrevente nas esferas: política, social, econômica, ideológica e cultural, empoderando-o no embate entre as forças de poder estabelecidas. Para Hanks (2008, p. 53) os sistemas simbólicos, pela sua estruturação, organizam a experiência e, por isto, são reiterados pela prática. Diante disso, os atores sociais, “ao se engajarem na prática linguística, e a despeito de suas intenções ou objetivos” participam desse embate constitutivo nas relações de poder. Ao professor cabe, portanto, o desenvolvimento de práticas que requeiram o domínio do conhecimento dos processos argumentativos em situações de interação.


 

Keywords: Ensino e aprendizagem de língua, Produção textual, Argumentação


Minicurrículo:

ROSÂNGELA OLIVEIRA CRUZ PIMENTA

Doutora em Linguística pela UFAL e professora desta mesma universidade. Atua nas áreas da Análise do Discurso, ensino de escrita, leitura na escola e produção textual no ensino básico e superior. Coordena o Projeto de pesquisa (PIBIC 2017/2018) intitulado PROPOSTAS DE PRODUÇÃO TEXTUAL NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: INVESTIGANDO A PROMOÇÃO DA AUTONOMIA RELATIVA DOS ALUNOS ESCRITORES. É pesquisadora do GIELE.



ADNA DE ALMEIDA LOPES

Possui doutorado em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Alagoas (2005). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal de Alagoas. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Psicolinguística, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino, leitura e escrita, escrita, erro e alfabetização.



FLÁVIA FERREIRA DA SILVA ROCHA

Possui graduação em Letras, mestrado e doutorado pela Universidade Federal de Pernambuco. É professora da graduação no Departamento de Letras Vernáculas (DLEV) da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Atua principalmente no ensino de língua materna e descrição do português, com base nos estudos funcionalistas da linguagem.