AGRESSIVIDADE E  VIOLÊNCIA NAS INTERAÇÕES VERBAIS: DA INSINUAÇÃO À FRONTALIDADE

Authors:ISABEL ROBOREDO SEARA 1,3, RODRIGO ALBUQUERQUE 2
Institution1 UAb - Universidade Aberta (LISBOA/ PORTUGAL), 2 UnB - Universidade de Brasília (Brasília/Brasil), 3 CLUNL - Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa (LISBOA/ PORTUGAL)

Abstract

 

 

[…] a theory of politeness is inevitably also a theory of impoliteness, since impoliteness is a non-observance or violation of the constraints of politeness. [Leech 2005: 18]

Combate verbal, esgrimir radical de argumentos ou construção da concórdia nas interações verbais?

Há várias décadas que os especialistas se questionam sobre as estruturas linguísticas que regem as interações verbais e, na atualidade, assiste-se a uma tendência crescente para a investigação sobre impolidez e agressividade (Jobert 2010: 5).

Assumindo a complementaridade dos conceitos, privilegiaremos, neste simpósio,  uma abordagem não dicotômica do fenômeno polidez/cortesia versus agressividade/violência, mas preferencialmente uma visão dinâmica, entendida  como um continuum. Nossa opção apresenta pleno alinhamento com a proposta de Rahardi (2017), ao convocar uma tipologia para a impolidez linguística em perspectiva sociopragmática, que reúne atos impolidos de natureza diversificada que colaboram, em certa medida, a potencial promoção de interações permeadas por violência verbal.

O discurso agressivo decorre maioritariamente em contextos de polaridade, de polémica, de adversidade, em que se expõem e contrapõem  argumentos que visam atacar a face do interlocutor.

As estratégias ao serviço da  agressividade e da violência verbal são inúmeras, e podem ser estudadas a partir de  abordagens distintas e complementares:  desde a  visão léxico-semântica que privilegia o estudo dos marcadores de indiferença e de ruptura, dos insultos, dos qualificadores pejorativos, da linguagem obscena até à abordagem discursivo-pragmática e interacional, em que se descortinam os atos ameaçadores da face, os rituais de humilhação, a ironia demolidora, a retórica da intolerância, analisando as estratégias  que visam depreciar, estigmatizar ou denegrir o outro.

O objetivo deste simpósio é promover a reflexão e o debate sobre a complexidade das estratégias discursivas presentes em diferentes contextos, sobretudo aqueles em que se assiste a uma banalização crescente da agressividade/violência verbais, como o contexto político, mediático e das redes sociais.

Keywords: agressividade/violência verbal, polidez/cortesia, estratégias discursivas, interação verbal, face e figuração


Minicurrículo:

ISABEL ROBOREDO SEARA

Professora do Departamento de Humanidades da Universidade Aberta, Lisboa, Portugal. Investigadora do Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa (CLUNL). Coordenadora do Mestrado em Estudos de Língua Portuguesa. É doutorada em Linguística Portuguesa e desenvolve trabalho de investigação no âmbito dos estudos de pragmática, análise do discurso, retórica e epistolografia.



RODRIGO ALBUQUERQUE

Professor Adjunto da Universidade de Brasília, Brasília, Brasil. Credenciado ao Programa de Pós-graduação em Linguística. Membro do GT de Linguística do Texto e Análise da Conversação da Anpoll e líder do grupo de pesquisa “(Im)polidez em diferentes contextos sócio/interculturais”. Doutor em Linguística, pela Universidade de Brasília, desenvolve trabalhos na área de sociolinguística interacional, linguística de texto, pragmática e sociocognição.