CANÇÃO POPULAR: FORMA E HISTÓRIA

Authors:CARLOS AUGUSTO BONIFÁCIO LEITE 1
Institution1 UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Rio Grande do Sul/Brasil)

Abstract

O simpósio "Canção popular: forma e história" pretende reunir pesquisas e pesquisadores voltados ao estudo da canção popular como forma estética e as relações que essa forma estabelece com a história e o processo social de determinada localidade. Isto é, a canção popular como gênero estético que resiste a minuciosas análises formais, que se voltam para a letra, a melodia, a harmonia, o ritmo, as tessituras, a instrumentação etc., ao mesmo tempo, e por isso, se apresenta como ponto de referência profícuo para uma leitura dialética que considera a maneira como aspectos da sociedade podem ser encontrados nas canções, bem como as canções, por sua vez, indicam, direta ou indiretamente, aspectos da sociedade para os quais se deva dar atenção.

O escopo do simpósio abrange canção popular brasileira, evidentemente, mas não se resume a ela, aceitando também contribuições de pesquisadores que estudem a canção popular em outros lugares do mundo. Também compreende as relações entre a canção popular e outras formas estéticas, como o romance, a poesia, o teatro, o cinema etc., da mesma forma que aceita ainda contribuições que inquiram as relações entre a forma estética cancional e outras formas, como a forma crítica, a forma política etc. O objetivo maior do simpósio é o de reunir estudiosos interessados na canção e no mundo que essas canções expressam, observando o como como os cancionistas interpretam a realidade que os cerca e de como a realidade que os cerca, às vezes a revés desses cancionistas, está presente nas canções que compõem.

Keywords: canção, dialética, literatura


Minicurrículo:

CARLOS AUGUSTO BONIFÁCIO LEITE

Professor de Literatura Brasileira da UFRGS, cancionista e poeta, tem desenvolvido nos últimos anos um trabalho sobre diversos aspectos envolvendo canção popular brasileira, tendo artigos publicados em importantes periódicos acadêmicos brasileiros sobre tropicalismo e Noel Rosa. Atualmente, estuda a passagem do samba ao rap e as implicações que alguns aspectos distintos desses dois mundos acarretam numa leitura da recente guinada autoritária do ponto de vista política no país.