QUESTÕES GRAMATICAIS E DE POLÍTICA LINGUÍSTICA EM VARIEDADES NÃO-EUROPEIAS DO PORTUGUÊS

Authors:CLAUDIA ROBERTA TAVARES SILVA 1, SILVANA SILVA DE FARIAS ARAÚJO 2, LILIANA CRISTINA CORAGEM INVERNO 3
Institution1 UFRPE - UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (PERNAMBUCO/ BRASIL), 2 UEFS - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA (BAHIA/ BRASIL), 3 IPM - INSTITUTO POLITÉCNICO DE MACAU (MACAU/CHINA)

Abstract

Este Simpósio visa promover discussões em torno de variedades não-europeias do português, centrando a atenção em diferentes áreas da gramática, tendo em mente o contato linguístico do português com outras línguas. Longe de ser uma abordagem generalizante desse português, haja vista considerarmos a heterogeneidade um princípio constitutivo de toda língua e identitária dos indivíduos de uma determinada comunidade, variedades devem ser valorizadas e estudadas em diferentes áreas lusófonas, não deixando de lado a constituição político-econômico-cultural peculiar a cada área. Ademais, assumimos com Mattos e Silva (1988, p. 16) que “[c]ontrariamente ao que ocorre no português europeu [PE], em todas as outras áreas lusófonas, o português se encontra em situações complexas e diversas de multilinguismo e aí está incluído o Brasil.”. Embora haja esse ponto de convergência entre o Brasil e a África, estudos linguísticos revelam que as variedades africanas do português, por exemplo, apresentam usos mais próximos da norma do PE (BACELAR DO NASCIMENTO et al., 2008; MOTA, 2015). Apesar dessa maior proximidade, há áreas na gramática dessas variedades em que se evidencia variação linguística. Um aspecto que merece destaque é que, ao contrário do português brasileiro (PB), cujo processo de gramatização inicia-se no século XIX logo após sua independência de Portugal, nas demais áreas lusófonas cuja independência é recente, esse processo ainda não foi consolidado, embora já vislumbremos iniciativas que sinalizem para esse processo, um fato que recai no campo das políticas linguísticas. Diante disso, este Simpósio visa congregar trabalhos que não só abordem aspectos gramaticais de variedades não-europeias do português, mas também de política linguística em diferentes áreas lusófonas.

Keywords: aspectos gramaticais, variedades do português, contato linguístico, política linguística


Minicurrículo:

CLAUDIA ROBERTA TAVARES SILVA

É doutora em Linguística pela Universidade Federal de Alagoas e pós-doutora nessa área pela Universidade de Lisboa. Atualmente, é Professora Associada da Universidade Federal Rural de Pernambuco e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco, atuando na área de Linguística, com ênfase em Teoria e Análise Linguística, centrando a atenção principalmente nos campos da sintaxe, da morfologia, do contato linguístico e da variação linguística.



SILVANA SILVA DE FARIAS ARAÚJO

É doutora em Língua e Cultura pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente, é Professora Titular do Departamento de Letras e Artes e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Estudos Linguísticos da Universidade Estadual de Feira de Santana. Tem experiência na área de Linguística Histórica, com ênfase em Sociolinguística, atuando principalmente nos seguintes temas: formação do português do Brasil, contatos linguísticos, fenômenos morfossintáticos e variedades africanas do português.



LILIANA CRISTINA CORAGEM INVERNO

É doutora em Linguística Portuguesa pela Universidade de Coimbra. Atualmente, é Professora Adjunta Convidada do Centro Pedagógico e Científico de Língua Portuguesa do Instituto Politécnico de Macau e membro colaborador do CELGA-ILTEC, da Universidade de Coimbra, na linha temática Português em Contacto. Tem experiência na área de Linguística de Contacto, Sociolinguística e Documentação Linguística, com ênfase na variedade angolana do português e descrição da sua formação e características morfossintáticas.