NOVAS TRADICIONALIDADES E IMAGINÁRIO

Authors:ISABEL BARROS DIAS 1,2,8, NATÁLIA ALBINO PIRES 3,2,4,5
Institution1 UAb - Universidade Aberta (Portugal), 2 IELT (FCSH/NOVA) - Instituto de Estudos de Literatura e Tradição (FCSH/NOVA) (Portugal), 3 ESE-IPC - Escola Superior de Educação - Instituto Politécnico de Coimbra (Portugal), 4 Cátedra UEv - Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-Fazer Tradicional: Interligar Patrimónios (Univ. Évora) (Portugal), 5 CIAC - UAlg - Centro de Investigação em Artes e Comunicação (UAlg) (Portugal), 7 CLUL - Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (Portugal), 8 IEM (FCSH/NOVA) - Instituto de Estudos Medievais (FCSH/NOVA) (Portugal)

Abstract

A perenidade da literatura e das práticas tradicionais, graças à sua capacidade de atualização temática e formal, constitui um manancial de eleição para o estudo do Imaginário Humano a nível mundial. Com efeito, se algumas narrativas têm vindo a ser reescritas e polidas de acordo com o “politicamente correto”, como é o caso dos contos, determinadas formas têm paulatinamente esmorecido (como o Romanceiro ou os Autos), enquanto que outras tendências têm (re)surgido, com notável vigor (como as Lendas urbanas ou os Cordéis), frequentemente recuperando temas ancestrais e dando a conhecer elementos importantes das configurações imagéticas da mente humana. Acresce que o pragmatismo que marca a produção tradicional assegura a sua utilidade social, nomeadamente enquanto meio capaz de verbalizar e, deste modo, suprir algumas necessidades básicas Ser Humano enquanto indivíduo e na sua interação social, como a carência de heróis e de sonhos ou o esconjurar de receios.

O simpósio visa promover o debate sobre a articulação destes vetores, privilegiando linhas de investigação Comparatistas e no quadro dos Estudos Sobre o Imaginário. Pretende-se aprofundar o modo como as novas tradicionalidades recuperam ou rompem com os traços das anteriores práticas; como continuam a preencher a necessidade de ficção; e como espelham o essencial do Imaginário do “Homo Sapiens” | “Homo narrans”.

Keywords: Literatura tradicional, Imaginário, novas tradicionalidades, práticas tradicionais, sociedade


Minicurrículo:

ISABEL BARROS DIAS

Professora Auxiliar na Universidade Aberta desde 1989. Tem artigos publicados em diversas revistas de especialidade, publicações coletivas e atas, nacionais e estrangeiras, bem como dois livros sobre historiografia medieval ibérica. Investiga no âmbito da Literatura Comparada, da Imagologia e dos Estudos sobre o Imaginário, tendo como principais áreas de interesse, a Literatura Medieval, a Literatura do séc. XVI, a Literatura Oral e Tradicional e a Edição Textual.



NATÁLIA ALBINO PIRES

Licenciada em EstudosPortugueses pela FLUL. Foi leitora do Instituto Camões na Universidade da Corunha (1998-2000) onde apresentou a tese de Doutoramento "O Léxico do Romanceiro da Tradição Oral Moderna". Desde 2000 é docente na Escola Superior de Educação de Coimbra. Tem investigado e publicado sobre as especificidades linguísticas do romanceiro da tradição oral moderna portuguesa, a importância das lendas para a construção do imaginário coletivo e o turismo cultural.