ESTUDOS SOBRE A LINGUAGEM NA PERSPECTIVA DECOLONIAL

Authors:TÂNIA FERREIRA REZENDE 2, HELVIO FRANK DE OLIVEIRA 3
Institution2 UFG - Universidade Federal de Goiás (Goiás/Brasil), 3 UEG - Universidade Estadual de Goiás (Goiás/Brasil)

Abstract

A colonialidade tem sido a face obscura ou ignorada da modernidade (MIGNOLO, 2003) e precisa ser desvelada, com toda a ferida colonial que ainda sangra. A opção decolonial nos estudos da linguagem enfrenta a colonialidade, com a ferida colonial (feminino, gênero e sexualidade, negritude, indigenidade, corporeidade (incluindo a surdez, a cegueira e suas linguagens), marginalidade e subalternidade sociocultural, linguística, geográfica/geopolítica, dentre outras), de forma interseccional, como lócus de enunciação e como tema ou conteúdo de pesquisa/estudo. Cada dizer, ou cada enunciado, adquire suas significações em loci específicos, durante as enunciações, porque dizer é enunciar a partir do corpo-político, em um lugar geo-histórico marcado (MIGNOLO, 2003). Considerando, portanto, essa perspectiva de estudos, neste simpósio, pretendemos congregar pesquisador@s interessad@s em debater temas que relacionem linguagem, corpo, feminilidade, gênero e sexualidade, raças, etnias, mobilidades e translocalidades dos corpos, das ideias e das concepções (SANTOS, 2006), marginalidade e subalternidade sociocultural, linguística, geográfica/geopolítica, dentre outros temas afins. Convidamos ainda ao debate sobre a relação entre esses temas/problemas e seus impactos na educação básica e na formação superior de docentes de línguas, em vista da Base Nacional Comum Curricular - BNCC, a do ensino fundamental e a do ensino médio, além das propostas políticas de intervenção na escola, tais como “escola sem partido” e “ideologia de gênero”.

Keywords: Linguagem , Decolonialidade, Interseccionalidade, Ferida colonial, Opção decolonial


Minicurrículo:

TÂNIA FERREIRA REZENDE

Doutora em Linguística pela UFMG e Pós-doutora pela USP. Professora de Linguística e Língua Portuguesa na Faculdade de Letras da UFG, na graduação e na pós-graduação, em Sociolinguística e Letramento Intercultural Decolonial. Lidera o Obiah Grupo Transdisciplinar de Estudos Interculturais da Linguagem e participa da Rede de Estudos de Português ao Redor do Mundo, no Subprojeto: “O português brasileiro em contexto italiano”



HELVIO FRANK DE OLIVEIRA

Doutor em Linguística pela UFG e pós-doutor pela UnB. Professor na UEG-Câmpus Itapuranga, onde é diretor educacional. Atua nos Programas de Pós-Graduação: Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias (Câmpus CSEH-Anápolis) e em Língua, Literatura e Interculturalidade (Câmpus Cora Coralina-Cidade de Goiás). Lidera o grupo DIVERSO - Discursos de Diversidade, Diferença, Valorização e Resistência Sociais (UEG/CNPq). Desenvolve pesquisas em Linguística Aplicada com ênfase em educação linguística crítica, estudos de(s)coloniais e diversidade.