LITERATURA NEGRA BRASILEIRA: TRANGRESSÕES E RESISTÊNCIA

Authors:PAULO ANDRADE 2, ROSANGELA SARTESCHI 1
Institution1 USP - Universidade de São Paulo (São Paulo / Brasil), 2 UNESP/Araraquara - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Araraquara / Brasil)

Abstract

A Literatura Negra Brasileira, apesar do espaço que, inegavelmente, conquistou na academia, ainda encontra restrições na historiografia brasileira bastante refratária às especificidades da autoria negra. O escritor negro experimenta a vivência em um país que legitima paradigmas estéticos, por meio de mecanismos que promovem a exclusão e a discriminação racial. O sociólogo Clóvis Moura (1988, p. 63), analisa a condição negra na sociedade nacional, discutida a partir de conceitos como democracia racial, miscigenação e alienação. Para romper com essa condição que resulta na perpetuação do jogo dominadores/dominados no âmbito de uma sociedade de classes é que a chamada literatura negra engajada questiona as verdades e os discursos oficiais, a fim de inaugurar espaços, derrubando barreiras historicamente construídas e, desta maneira, projetando no plano do imaginário uma saída possível no combate ao preconceito e à alienação. São vozes que não pretendem calar o outro, mas têm, sobretudo, a intenção de colocar-se dialeticamente diante desse outro, construindo um diálogo pleno de significados em que as fraturas e as tensões não são escamoteadas ou ignoradas. Portanto, essa literatura assume o papel histórico da resistência política também via produção literária, fortalecendo um olhar cada vez mais direto e objetivo por intermédio de dezenas de vozes que emergem de seus textos e que se distanciam de uma projeção ideológica e oficial de um Estado dominante que os restringem à subserviência social. Evidente está, então, que essa literatura constituir-se-á na corporificação das contradições históricas: em movimento pendular olha para o passado, que não imobiliza; ao contrário, acessado dialeticamente, apresenta-se como via para que o futuro seja reescrito em novas perspectivas. Esse simpósio acolherá comunicações que reflitam, a partir de múltiplos aportes teóricos e críticos, sobre a literatura negra brasileira (narrativa, drama, poesia), abordando temas como tradição, memória individual/coletiva, ancestralidade, identidades, o legado da diáspora, resistência, entre outros.

Keywords: literatura negra brasileira, identidade, resistência, diáspora negra


Minicurrículo:

PAULO ANDRADE

Graduado em Letras pela Universidade Federal de Viçosa (MG). Mestre e Doutor em Estudos Literários pela UNESP/Araraquara. É docente do Departamento de Literatura e da Pós-Graduação em Estudos Literários na Unesp/Araraquara. Publicou Torquato Neto: uma poética de estilhaços, (Ed.Annablume/Fapesp, 2002) e O poeta-espião: a antilírica de Sebastião Uchoa Leite (EDUNESP, 2015) e de vários ensaios sobre poesia contemporânea em livros e periódicos.



ROSANGELA SARTESCHI

Graduada em Letras - Inglês e Português pela USP e Doutorado em Letras (Estudos Comprados de Literaturas de Língua Portuguesa) pela USP. Atualmente é docente do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da USP, atuando na área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, na linha de pesquisa Literatura e experiência histórica nos países de língua portuguesa, abordando temas como literatura e sociedade, ensino de literatura, literatura negra brasileira, literatura e política.