VOZES (IN)FAMES: EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA

Authors:MARIA JOSÉ RODRIGUES FARIA CORACINI 1, JULIANA CASTRO SANTANA 2, MÁRCIA APARECIDA AMADOR MASCIA 3
Institution1 Unicamp - Universidade Estadual de Campinas (São Paulo), 2 UNIVÁS - Universidade do Vale do Sapucaí (São Paulo / Brasil), 3 UF - Universidade de Sao Francisco (São Paulo/ Brasil)

Abstract

O simpósio denominado “Vozes (In)fames: exclusão e resistência” – título de um grupo de pesquisa registrado no CNPq, sob a coordenação geral da Profa Dra Maria José Coracini – tem por objetivo compartilhar pesquisas em andamento em torno de grupos ou indivíduos excluídos da sociedade contemporânea. O título foi inspirado num texto de Michel Foucault denominado “A vida dos homens infames”. Infames significa sem fama, excluídos, que sofrem preconceito ou que são ignorados, marginalizados. Essas pessoas só ganham fama se cometerem alguma ação que os torne infames, como por exemplo, estupro, assassinatos em série, roubos frequentes, dentre outras. Assim, pesquisas em torno de pessoas em situação de rua, de extrema pobreza, de catadores de lixo, de moradores de favelas, de cadeirantes, cegos ou surdos, domésticos, (ex-) prisioneiros, crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade, mulheres (ou homens) violentada(o)s, transexuais, dentre outras, serão bem vindas. Ainda serão aceitos trabalhos sobre os marginalizados - textos ou traduções – e pesquisas em torno das políticas públicas excludentes. Tais pesquisas terão como preocupação central questões de identidade ou representações de si e do outro, relações de poder que pressupõem sempre a possibilidade de resistência, enfim, questões que entrelaçam sujeito e discurso, a partir de histórias ou relatos de vida, que são sempre história e ficção, verdade e invenção. A análise dos registros coletados reúne pesquisas preocupadas em compreender os discursos (verbais ou não verbais), os sujeitos, com aportes filosóficos e/ou psicanalíticos, considerando o momento histórico-social que define as práticas enunciativo-discursivas e o modo de ser/estar no mundo e nas relações.

Keywords: exclusão , resistência, violência, subjetividade, perspectiva discursivo-desconstrutivista


Minicurrículo:

MARIA JOSÉ RODRIGUES FARIA CORACINI

Maria José Coracini é titular em Ensino-Aprendizagem de Língua Estrangeira e livre-docente pela Unicamp IEL/DLA. Fez pós-doutorado nas Universidades: McGill (Canadá), Sorbonne Paris III (França) e Universidade de Lisboa (Portugal). A proposta da perspectiva discursivo-desconstrutivista volta-se para o Discurso Científico, Político, Didático-Pedagógico, de e sobre a pobreza, leitura e escrita, tradução e “novas” tecnologias. Coordena três grupos de pesquisa interinstitucionais registrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq.

 

 

 



JULIANA CASTRO SANTANA

Juliana de Castro Santana é mestre (2001) e doutora (2005) em Linguística Aplicada pela UNICAMP. Realizou, em 2011, um pós-doutorado na mesma instituição, na área de Tradução. É professora adjunta no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Vale do Sapucaí e professora associada na Faculdade de Tecnologia de Jacareí. Integra projetos de pesquisa interinstitucionais, em âmbito nacional e internacional, como participante e líder.



MÁRCIA APARECIDA AMADOR MASCIA

Márcia Aparecida Amador Mascia é doutora (1999) em Linguística Aplicada pela UNICAMP. É pós-doutora (2015) pela Universidade de Wisconsin-Madison, EUA, na área de “Curriculum and Instruction”. É professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade São Francisco e bolsista produtividade PQ 2. Lidera o Grupo de Pesquisa Estudos foucaultianos e Educação, certificado pelo CNPq. Possui publicações nacionais e internacionais. É editora da série (Post)Critical Global Studies, editora Peter Lang.