TRADUÇÃO E DOMÍNIO DO PORTUGUÊS – IMPLICAÇÕES SINTÁTICO-SEMÂNTICAS

Authors:CARMEM LUCIA PEREIRA PRAXEDES 1
Institution1 UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro/Brasil)

Abstract

O tradutor é um ser que vive o seu cotidiano em fraturas expostas, sujeito às imperfeições e ao peso da língua escrita, escravo do tempo, de suas escolhas lexicais, sintático-semânticas, de línguas vivas em constante processo de transformação e mudança. Além disso, embora possa ser considerado como coautor, ele não é o detentor da ideia original e, por isso, vive à sombra e será condenado por qualquer deslize, até mesmo por aqueles que nada entendem de tradução e que, justamente por nada entenderem do ato tradutório consciente[1], se julgam capazes de traduzir e criticar as práticas e regras do tradutor. Tradução é trabalho e muito sério, dependente de dedicação e isolamento, de bons dicionários, inclusive os terminológicos, de domínio e capacidade de levantamento de dados culturais muito deles ainda não organizados. Línguas não são etiquetas (Hjelmslev, 2009) e as culturas nelas inerentes fazem delas uma singularidade plural. Em Numero Zero (Eco, 2015), o narrador-personagem afirma: “De fato, traduzir significa estar em casa, no calor ou no frio e trabalhar com chinelos, além de tudo aprendendo um monte de coisas.” A consciência do fazer tradutório com seus ônus e bônus é perfeitamente exposta nessa citação, sem o peso das teorias, mas com a leveza do narrador e de seu mundo narrativo. No entanto, no chamado mundo real quase tudo é peso (Calvino, 1988) e a dúvida é o quanto de peso poderemos subtrair do fazer tradutório. Nesse sentido, a presente proposta de simpósio tem em vista pôr em discussão as implicações sintático-semânticas das escolhas dos tradutores na língua de chegada português, a partir da constatação em pesquisas e docência de que as habilidades e práticas do tradutor têm de ser bem desenvolvidas e atualizadas tanto na língua de partida, quanto na língua de chegada. 

 

 

[1] Aqui a tradução é entendida como ofício.

 

Keywords: Tradução, Português, Tradução e domínio do Português, sintaxe-semântica, Imperfeições da tradução


Minicurrículo:

CARMEM LUCIA PEREIRA PRAXEDES

É Pós-doutora em Letras Clássicas e Vernáculas (2012) e Doutora em Linguística (Semiótica e Linguística Geral) pela USP (2002), graduada (Bacharelado e Licenciaturas Plenas) em Português-Italiano e respectivas Literaturas (1990 e 91). Professora Associada da UERJ (2012),  Departamento de Letras Neolatinas (1996), Instituto de Letras. Atualmente é assessora acadêmica de graduação da UERJ, professora do Programa de Mestrado em Letras, especialidade Linguística e da Especialização Lato Sensu em Italiano.